Lançamento contábil: como contabilizar antecipação de cartão de crédito?

Lançamento contábil: como contabilizar antecipação de cartão de crédito?

É preciso se atentar como contabilizar antecipação de cartão de crédito e fazer um correto lançamento contábil.

Apesar de parecer um procedimento simples, muitas dúvidas podem surgir ao longo desse processo.

Então, o que fazer para controlar as vendas e antecipações de cartão de crédito? É o que vamos mostrar neste post.

O que é um lançamento contábil?

Lançamento contábil é o registro do fato contábil. É forma como a contabilidade faz o registro de todos os fatos que afetam, ou afetarão, o patrimônio da empresa de alguma forma.

Os lançamentos contábeis podem ser:

a) de primeira fórmula: envolvem uma conta devedora e outra conta credora;

b) de segunda fórmula: envolvem uma conta devedora e mais de uma conta credora;

c) de terceira fórmula: envolvem mais de uma conta devedora e apenas uma credora;

d) de quarta fórmula: envolvem mais de uma conta credora e mais de uma devedora.

O cartão de crédito é um meio utilizado para a compra de um bem ou contratação de um serviço. O usuário recebe sua fatura mensal e pode fazer o pagamento do valor total, do mínimo ou alguma quantia intermediária.

Para a empresa, esse é um tipo de venda a prazo, porque o dinheiro não é disponibilizado automaticamente pela administradora do cartão de crédito. Geralmente, isso ocorre após certo tempo.

Além disso, é descontada uma taxa sobre o valor de venda, como forma de reembolsar as despesas com serviços e material disponibilizados ao comerciante. O percentual pode variar de acordo com o acréscimo de outros serviços, como o aluguel da máquina.

Confira a seguir como contabilizar as vendas com cartão de crédito:

Registre as vendas realizadas no cartão de crédito

As operações de venda devem ser registradas, inclusive quando são feitas no cartão de crédito.

Como o dinheiro será recebido no futuro e há essa diferença de valores devido às taxas cobradas, uma dica é abrir uma conta contábil no ativo circulante chamada “contas a receber — administradora X”.

Assim, consegue-se garantir que o fechamento do caixa será feito normalmente, identificando possíveis erros, e ainda se sabe quanto será recebido no futuro.

Para isso, seja rigoroso nas anotações e informe:

  • preço do produto;
  • se a venda foi à vista ou a prazo;
  • em quantas parcelas;
  • e se já foi entregue.

Acrescente ainda os dados do cliente para que, em caso de imprevisto, seja possível contatá-lo no futuro.

Faça relatórios dos valores recebidos pelas operadoras

A operadora do cartão deve repassar um relatório mensal das operações realizadas.

Esse documento deve ser comparado aos seus próprios registros para aumentar o controle sobre os valores repassados pela empresa.

Essa também é uma maneira de avaliar o desempenho financeiro das vendas, identificar a necessidade de adaptar ou corrigir estratégias de comercialização e cobranças.

Confira os lançamentos diariamente

Os erros cometidos pela sua empresa ou pela operadora devem ser rapidamente identificados para evitar furos no caixa.

Uma dica relevante é anotar os lançamentos nos extratos diariamente.

Esse deve ser um compromisso do gestor, a fim de que possa se antecipar ao problema. O resultado é a correção de lançamentos errados, evitando prejuízos.

Ajuste os lançamentos errados

Essa regra deve ser realizada após a etapa anterior, porque serve como um complementar ao controle financeiro das vendas por cartão.

Caso identifique a falta ou o erro em um registro, contate a operadora para solicitar a correção.

Essa medida sempre deve ser adotada, inclusive quando o valor parecer pequeno. Lembre-se de que ele pode fazer toda a diferença no final, especialmente se outras falhas acontecerem durante o mês.

Use um sistema de conciliação de cartão de crédito

Um sistema voltado para essa finalidade pode fazer a conciliação de cartões e ainda controlar o recebimento dos valores. Com isso, você evita prejuízos financeiros e garante que todas as parcelas previstas serão liquidadas com as taxas adequadas.

Outras vantagens desse tipo de software são:

  • redução do custo operacional com a consolidação e conciliação de vendas;
  • recebimento antecipado de informações;
  • organização do fluxo financeiro;
  • subsídio maior às tomadas de decisão;
  • confirmação do pagamento das parcelas.

Aproveite para ler também: Tudo sobre Gestão das Vendas em Cartões para você se tornar um especialista

Fazendo isso na prática

Os valores de cartão de crédito são entendidos como vendas a prazo. Por isso, há formas diferentes de fazer a contabilidade: no momento da venda e no recebimento dela.

Veja a seguir um exemplo:

No momento da venda:

D (débito) – Contas a receber, Operadora “X” (Ativo circulante) R$  975,00
D (débito) – Despesas com Vendas (Conta de Resultado) R$ 25,00
C (crédito) – Receita com vendas (Conta de Resultado) R$ 1.000,00

Nessa operação há a incidência de ICMS, PIS e Cofins, mas esses impostos não são considerados por não serem o foco do artigo.

No recebimento da venda:

D (débito) – Bancos c/movimento (Ativo Circulante) R$ 975,00
C (crédito) – Contas a receber, Operadora “X” (Ativo circulante) R$ 975,00

As operadoras também podem dar às empresas a opção de “antecipar” o recebimento desses valores. Para isso, é cobrada uma taxa nessa operação, além da taxa já cobrada na venda normal.

Como contabilizar antecipação de cartão de crédito?

A taxa cobrada em uma antecipação é calculada a juros simples e aplicada sobre o valor líquido da transação e é proporcional ao tempo em que a parcela está sendo antecipada.

Essa taxa é mensal, mas o cálculo é feito com taxa diária (taxa mensal/30).

Um exemplo: Você fez uma uma venda no valor de R$ 150,00 no cartão de crédito, parcelada em 3x de R$ 50,00 no dia 01/19.

Vamos utilizar, neste exemplo, uma taxa de 4%.

Então, cada parcela terá valor líquido de R$ 50,00 – (0,04 x 50,00) = R$ 48,00. Essa venda, sem antecipação de recebíveis, seria recebida desta forma:

  • 01/10: 1ª Parcela = R$ 48,00
  • 01/11: 2ª Parcela = R$ 48,00
  • 01/12: 3ª Parcela = R$ 48,00
  • Total: R$ 144,00

Com a antecipação de recebíveis, essa venda seria recebida desta forma:

  • 02/12:
  • 1ª Parcela = R$ 48,00 – [(1 x 0,04) x 48,00] = R$ 46,08
  • 2ª Parcela = R$ 48,00 – [(2 x 0,04) x 48,00] = R$ 44,16
  • 3ª Parcela = R$ 48,00 – [(3 x 0,04) x 48,00] = R$ 42,24
  • Total: R$ 132,48

A Antecipação de Cartão é contabilizada no ativo, como conta retificadora, ou no passivo, como acontece com as duplicatas descontadas?

As empresas que realizam vendas em cartões e possuem parcelas a receber das operadoras, podem receber esses valores antecipadamente. Nessa operação, chamada de antecipação de cartão de crédito, a empresa não transfere o risco do cliente não honrar a dívida.

Logo, ao antecipar uma ou mais parcelas, você estará tomando um empréstimo e, caso o cliente não pague, a operadora pode debitar o valor não pago da conta bancária da empresa.

O ideal seria contabilizar o valor recebido pela antecipação como um passivo, assim como acontece com as duplicatas descontadas.

Queremos ouvir você! Responda à nossa pesquisa e nos conte como está sendo a sua experiência com os novos meios de pagamento, como Pix e carteiras digitais. Clique no banner a seguir e acesse a pesquisa!

Pesquisa Comportamento do varejo nos meios de pagamento

6Comentários

  1. http://Hanna 25/01/2018 at 1:29 pm

    Hanna – Boa Tarde !

    Sobre a Contabilizacao da Despesa com Venda, como voce disse acima, deve ser contabilizada no dia da venda, porem meu programador diz que é no momento do recebimento da venda, voce teria uma Legislacao para eu enviar a ele?


    1. 25/01/2018 at 1:53 pm

      Olá Hanna, tudo bem? Não entendi a sua pergunta. O artigo fala do lançamento contábil das vendas em cartões e não do lançamento contábil das despesas com venda. Poderia explicar melhor para que eu possa te ajudar?

      Outro ponto: você está enfrentando desafios para desenvolver uma solução de gestão interna para o seu negócio? Gostaria de entender melhor também sobre esse aspecto.

      Será um prazer te ajudar.


      1. 11/07/2018 at 11:02 pm

        Entendi a pergunta da Hanna e tb tenho a mesma dúvida.
        Como somente no momento de repassar o valor total da venda é que a operadora “retém” a parte dela a pergunta que fica é :

        Devo registrar o lançamento Contabil “despesa com vendas” no momento da venda ou no memento da retenção ?

        Talvez perguntando de outra forma . O fato gerador da “despesa com vendas” se da no momento da venda ou no momento do pagamento ?

        Obrigado


        1. 12/07/2018 at 4:34 pm

          Olá, boa tarde! Regime de competência é um método de registro de lançamentos contábeis. Esse princípio significa que independente da data do pagamento ou recebimento dos valores monetários, de uma receita ou despesa, a mesma será registrada na data e no mês exato da transação efetuada, portanto nesse caso, no momento da venda. Consegui responder a sua pergunta?


    2. http://Denise%20Lima%20de%20Melo%20Nunes 30/07/2019 at 1:25 pm

      Ola! Pelo que entedo se contabiliza no ato da venda a provisão do teu extrato de vendas, pois se trata do que foi vendido. E se contabiliza no dia do recebimento da venda a baixa na disponibilidade, pois é onde casa as informacoes para resultado do que foi vendido e do que falta receber.


  2. http://Mateus 31/01/2020 at 8:23 am

    Ou não entendi a resposta ou descordo.
    Na venda com cartão o risco do cliente não honrar a dívida é da operadora. Este é o motivo das “taxas” cobradas em cada venda.
    Quando há uma antecipação, o risco permanece da operadora. Apenas é acrescido um “juros” cobrado da empresa. Logo, entendo que não se trata de um empréstimo, pois o tomador não terá que pagá-lo.
    Entretanto fico com dúvida em relação ao “juros” decorrente da antecipação de vendas parceladas em muitos meses; Se contabilizo pró-rata-temporis ou total no próprio mês do desconto.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *