Saque Pix: entenda essa futura funcionalidade

Saque Pix: entenda essa futura funcionalidade

Ainda neste ano, conforme anúncio do Banco Central do Brasil (BC), os brasileiros terão mais uma funcionalidade importante: o saque Pix. O sistema de pagamentos instantâneos do órgão federal foi lançado em dezembro de 2020 e movimentou, até fevereiro de 2021, quase R$ 454,8 bilhões.

Os dados revelam o comportamento do brasileiro em relação a essa modalidade: a maior parte das chaves é do CPF do titular (60,5 milhões), seguido de chaves aleatórias (50,5 milhões) e número do celular (40,1 milhões).

Com o objetivo de dar celeridade às movimentações financeiras, o saque Pix é apenas uma das várias novidades que o BCB tem programado para os próximos meses. A opção vai ao encontro do que já é praticado, por exemplo, pela fintech PicPay em parceria com a plataforma Brink’s Pay.

Dessa forma, entenda o que é e os prazos para utilizar o saque Pix.

O que é e como funcionará o saque Pix

Conforme aponta o próprio site do BCB, o objetivo desse método é possibilitar ao consumidor a celeridade para obter dinheiro em espécie diretamente no comércio. Também, contribui efetivamente na gestão de numerário das empresas que adotarem a chave Pix.

O processo é simples: no caixa dos lojistas parceiros, a pessoa sinaliza que quer efetuar a retirada de valores físicos através do Pix. Na sequência, o colaborador do negócio irá apresentar um QR Code na tela da máquina de cartão de crédito/débito.

Para sacar, o consumidor precisa de um smartphone que, ao ler o código e definir a quantia, terá o valor acrescido de uma taxa, ainda não estabelecida, para conseguir terminar a transação. Confirmado o processo, o funcionário da empresa entrega o dinheiro em espécie ao usuário.

Todo o procedimento, é claro, necessita que o consumidor tenha acesso à internet e ao aplicativo do seu banco ou instituição financeira a qual tem seu cadastro no Pix.

Quais os benefícios?

Isso possibilita uma série de vantagens, conforme análise de especialistas e do órgão federal. Entre eles a diminuição do uso de caixas eletrônicos (com ênfase nos 24 horas), que podem não contar com cédulas ou apresentam problemas técnicos.

Ainda, diminui a necessidade de as empresas manterem muito dinheiro em espécie e, consequentemente, realizarem depósitos regulares no banco. Por fim, contribui para que as pessoas possam estar mais presentes nos estabelecimentos comerciais, além de uma facilitação de troco.

Quando será possível utilizá-lo?

O saque Pix está programado para começar a operar em junho de 2020. Contudo, ainda não há uma data exata, mas as operações devem contar com uma lista já definida de estabelecimentos parceiros do BCB para executar essa função.

Novamente pegando o exemplo do PicPay e Brink’s Pay, em seis meses, foram 230 mil varejistas parceiros para mais de 2,6 mil municípios espalhados por todo o país.

O que mais o Pix promete

Além do saque Pix, a plataforma de transações ainda conta com uma série de novidades a serem aplicadas pelo BCB nos próximos meses e anos. Entre eles estão:

  • Iniciador de pagamentos no Pix, permitindo que iniciadores participem da modalidade;
  • Débito automático no Pix, facilitando pagamentos;
  • Conta salário no Pix, criando movimentação neste gênero;
  • Melhoria da UX, que integrará aplicativos das finanças com lista de contatos dos smartphones, facilitando as negociações;
  • Mecanismo especial de devolução, de forma ágil em situações de suspeita de fraude ou falhas operacionais;
  • Pix por aproximação, facilitando e deixando o processo mais conveniente;
  • E o Pix Garantido, para parcelar compras através deste método.

Gostou deste texto? Leia também abaixo o nosso ebook “Pix: tudo o que você precisa saber”.

Pix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *