Proteção de fraude no e-commerce: como evitar o chargeback?

Saiba como reduzir o chargeback nas vendas em cartão de crédito

Você sabia que o chargeback é atualmente um dos piores problemas para os empreendedores? Efeito da disseminação do cartão de crédito ou débito que se tornou essencial graças à sua comodidade de comprar.

Se você deseja potencializar suas vendas é indispensável oferecer essa comodidade do cartão, principalmente se sua empresa opera com e-commerce. Mas lembre-se também da importância de gerir suas vendas canceladas, assim, você evita o indesejável chargeback.

Ficou interessado no assunto? Quer saber como é possível evitá-lo? Então, este artigo foi desenvolvido especialmente para você. Confira!

O que é chargeback?

É a contestação de uma compra realizada por meio de um cartão de crédito ou débito. Em outras palavras, é quando o titular do cartão liga para a operadora pedindo o cancelamento de uma compra. Essa solicitação para o cancelamento é o chargeback. Quando acontece o chargeback, o valor não é creditado para o lojista. Mas se esse valor já tiver sido creditado, a quantia será estornada ou lançada a débito.

Quando pode acontecer o chargeback?

Esse cenário de chargeback pode ser causado por uma série de situações. As mais comuns são:

  • divergência no valor cobrado sobre o produto. O cliente realiza uma compra no valor de R$100 e na fatura da mesma mercadoria vem o valor de R$120;
  • fraudes. Quando o cliente alega que não foi o responsável pela compra por conta de roubo ou clonagem do cartão;
  • devolução de mercadoria. Toda vez que o cliente pede o cancelamento de uma compra;
  • autofraude. O consumidor alega fraude, mesmo sendo o comprador legitimo;
  • não recebimento da mercadoria. O cliente, descontente, entra em contato com a operadora e solicita o da compra.

Para evitar problemas como os citados acima, é interessante que sua empresa possua um software de gestão para auxiliar a detectar possíveis contratempos que podem afetar a saúde financeira do seu negócio.

Como reduzir o chargeback no e-commerce?

Quando se trata da segurança de crédito do seu negócio, todas as informações que você obtiver do seu consumidor são fundamentais para o sucesso do seu empreendimento. Por isso, é interessante contar com o auxílio de ferramentas de gestão que consigam capturar essas informações, para assim reduzir o chargeback em suas vendas.

Além disso, é aconselhável aderir a uma política própria de consulta de crédito. Sempre que possível, confira o CPF dos compradores, consulte o seu CEP, atente-se aos endereços eletrônicos, controle as vendas feitas por cartão de crédito e entre em contato com outras empresas para saber a respeito desse comprador.

Geralmente, essas são as práticas convencionais usadas por todas as empresas que se preocupam em reduzir o seu problema com o chargeback.

Por fim, uma solução comum encontrada pelos empreendedores é também efetuar a contratação de serviços especializados em segurança digital. Pois eles são responsáveis por evitar fraudes e possíveis roubos de informações que possam atingir o funcionamento de seu negócio.

 


Leia também: Como o e-Extrato Card monitora a contestação de compra e ajuda a evitar prejuízos

Um sistema de conciliação de venda em cartão de crédito pode ajudar a evitar o chargeback?

Sim. Por meio de um software especializado na conciliação de vendas em cartão de crédito é possível reduzir o chargeback. Afinal, ele acompanha todas as transações das vendas realizadas com cartões e permite visualizar as ocorrências que podem causar prejuízos, além de identificar com agilidade todas as possíveis inconsistências nas operações e também nos depósitos bancários das vendas.

Outra importante contribuição de um software conciliador é que ele recebe das operadoras os pedidos de cancelamentos de vendas, através de lotes de arquivos. Esses arquivos são interpretados pelo sistema, dando tempo para que o lojista trate do pedido de cancelamento, verificando se é real ou não, parcial ou completo.

Por fim, vamos imaginar que um lojista não contém um software de conciliação de vendas em cartões, dessa forma, ele está sujeito a possíveis contratempos começando pela comunicação. Por exemplo, quando o dono do cartão contesta uma compra, de imediato ele informará a operadora do cartão. A seguir, a operadora tem o dever de passar a informação ao lojista.

Contudo, o grande problema é que essa comunicação ocorre por e-mail ou carta, sendo um processo demorado e com grandes chances de ser falho. Como o tempo para a tratativa de um pedido de cancelamento não é longo, geralmente as contestações tornam-se chargebacks e o lojista amarga o prejuízo.

Existe diferença entre chargeback e arrependimento de compra?

Quando falamos no âmbito do e-commerce, é comum que algumas pessoas confundam os termos. Por isso, é importante saber a diferença para garantir seus direitos.

Nas transações comerciais feitas por meio de uma plataforma e-commerce, o cliente tem um direto assegurado pelo Código de Defesa do Consumidor, o famoso arrependimento de compra. Nesse caso, o cliente tem o prazo de até sete dias para solicitar o seu dinheiro de volta, abdicando da compra inicial sem a necessidade de um motivo específico.

Já o chargeback é qualquer transação comercial em que o cliente alegue ter sido alvo de fraude. O pedido de cancelamento dessa compra pode demorar até a chegada da fatura do cartão de crédito, por exemplo.

É aconselhável que os empreendedores se mantenham atentos a essas diferenças para dar continuidade às suas tarefas e aumentar a rentabilidade do seu negócio.

No momento em que você compreende as características do chargeback, entende que sua loja está sujeita a um possível problema que necessita ser sanado, pois o cancelamento de uma compra gera prejuízo financeiro para o seu negócio!

Afinal, como estão as suas vendas em cartões de crédito e débito? Queremos te ajudar a gerenciar melhor essa operação. Curta a nossa página no Linkedin para manter-se atualizado sobre chargeback e outros assuntos!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *