Auditoria das taxas de cartão: o que você precisa saber?

Auditoria das taxas de operadoras de cartões: o que todo lojista precisa saber?

A popularização das “maquininhas de cartão” tem aumentado muito o mercado das operadoras, sempre se diferenciando por suas taxas de cartão. Porém, você entende mesmo a diferença de cada uma delas?

Com o crescimento das transações realizadas via cartão de crédito e débito, as empresas pagaram um total de taxa de desconto (MDR) de R$ 26,6 milhões de somente em 2017.

De acordo com a SPC Brasil, 12,1% dessas empresas tiveram prejuízo financeiro por conta de cobranças de taxas indevidas.

Um dos principais motivos é a falta de uma auditoria e monitoramento mais efetivo das taxas, que pode gerar perdas até mesmo invisíveis para os gestores, diretores e até mesmo donos de empresas.

Quer saber mais sobre isso? Confira a seguir como lidar com as taxas das operadoras das máquinas de cartão de crédito e débito e descubra como evitar quaisquer prejuízos.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

A guerra das maquininhas e o impacto nas vendas em cartões

Há cerca de dois meses, algumas operadoras de cartões surpreenderam o mercado ao decretar o fim da taxa de antecipação de cartão, recebimento imediato das vendas e outras notícias que deram início a chamada “guerra das maquininhas”.

No entanto, apesar de serem notícias de encher os olhos, especialistas afirmam que é preciso tomar cuidado ao adotar essas novidades sem qualquer planejamento ou auditoria das taxas.

De acordo com Samuel Gonçalves, especialista omnichannel e CPO da eMillennium, em matéria no Portal Ecommerce Brasil, “acreditar cegamente em uma notícia é o pior cenário, e muitos lojistas estão agindo exatamente assim. O ideal é fazer as contas, pois poderão se deparar com situações ainda mais convidativas do que as anunciadas inicialmente”.

Por isso, ao se deparar com uma situação desse tipo, é importante que o lojista haja racionalmente e realize uma profunda análise antes de sair por aí aderindo a qualquer proposta.

O primeiro ponto a considerar antes de renegociar as suas taxas de cartão com as operadoras de cartões é que o valor das taxas e dos juros cobrados possuem um grande impacto na margem de lucro das vendas, pois uma parte do valor recebido é destinada à operadora.

Para manter o nível aceitável de lucratividade e evitar perdas financeiras, é preciso realizar uma precificação mais estratégica.

Além disso, apenas pensar no valor em si da taxa não deve ser a única análise a ser feita, já que também é necessário conferir quais os benefícios associados a cada operadora e qual delas melhor se adequa à sua empresa.

Dependendo do caso, uma taxa um pouco mais elevada pode compensar se a operadora oferecer benefícios realmente destacáveis.

Afinal, qual a melhor operadora para máquina de cartão?

De forma geral, a melhor máquina de cartão é aquela melhor se adequa à sua empresa e a sua conta corrente.

No entanto, antes de tomar a sua decisão, é necessário fazer uma pesquisa de mercado e comparar todas as taxas e benefícios.

Confira a seguir uma comparação da taxa inicial das 4 maiores operadoras de cartão de crédito do Brasil:

Cielo

A maquininha Cielo trabalha com as seguintes taxas:

  • Débito: Taxa de 1,99%, podendo receber o valor em até 1 hora na conta digital ou em 2 dias em outros bancos. Após 1 ano de contrato, a taxa passa para 2,39%;
  • Crédito à vista: Taxa de 4,99%, podendo receber em até 1 hora na conta digital ou em 2 dias em outros bancos;
  • Crédito parcelado: Taxa de 5,59% + 2,99% por parcela, podendo receber em até 1 hora na conta digital ou em 2 dias em outros bancos.

Rede

A Rede trabalha com as seguintes taxas:

  • Débito: Taxa de 1,99%, podendo receber o valor em até 1 dia;
  • Crédito à vista: Taxa de 3,49%, podendo receber em até 2 dias úteis;
  • Crédito parcelado: Para receber todas as parcelas em 2 dias, você paga mais 1,99% por parcela, se quiser receber todas as parcelas em 30 dias você paga mais 1,99% por parcela, mas se quiser receber cada parcela a cada 30 dias, você paga apenas a taxa normal, sem taxa adicional.

Getnet

A Getnet trabalha com as seguintes taxas:

  • Débito: Taxa de 2%, válida para novos credenciamentos pessoa física e MEI, podendo receber em 2 ou 30 dias. Para receber conforme as vendas, a taxa diminui para 1,95%;
  • Crédito à vista: Taxa de 2% para receber em 2 dias ou 3,09% para receber em 30 dias ou conforme às vendas;
  • Crédito parcelado: Taxa de 5,59% para receber em 2 dias. Taxa de 3,79% para receber em 30 dias. E para receber conforme às vendas, a taxa sobe para 6,40%;
  • Taxa adicional por mês: Taxa de 2,99% para receber em 2 ou 30 dias. Esta é uma taxa adicional para vendas parceladas.

PagSeguro

A PagSeguro trabalha com as seguintes taxas:

  • Débito: Taxa de 1,99%, exclusivo para transações chip e senha ou contactless (NFC). O valor pode ser pago em até 1 hora na conta PagSeguro, em caso de transações digitadas o recebimento ocorrerá em 30 dias. Demais formas, o tempo para receber o valor é de 7 dias. Depois de um ano, a taxa muda para 2,39%;
  • Crédito à vista: Para recebimento em 30 dias, a taxa é de 3,19%, para recebimento em 14 dias, a taxa é de 3,99%. Para quem quiser receber o valor na hora, a taxa é de 4,99%;
  • Crédito parcelado: Para recebimento em 30 dias, a taxa é de 3,79%, para recebimento em 14 dias, a taxa é de 4,59%. Para quem quiser receber o valor na hora, a taxa é de 5,59%. No caso das vendas parceladas há um acréscimo de 2,99% ao mês.

Apesar de haver taxas pré-definidas pelas operadoras de cartões de crédito, sempre é possível negociá-las com as adquirentes.

O ideal é ter, no mínimo, 3 meses de faturamento para que se possa fazer uma negociação mais efetiva, onde você apresenta uma projeção do volume de venda nos próximos 12 meses.

Você deve identificar qual a opção de pagamento que possui um maior volume de venda, seja débito, crédito ou parcelado.

Se, por exemplo, o crédito parcelado representa 80% das vendas, você pode insistir por uma taxa menor nesta modalidade.

No entanto, apenas procurar obter uma menor taxa de venda não deve ser o único foco. Existem as taxas adicionais, taxas de aluguel de máquina POS, conectividade, antecipação de cartão e outras que precisam pagar.

É essencial, além disso, manter uma rotina diária de auditoria destas taxas, a fim de se certificar que estão sendo cobradas pelas operadoras de maneira adequada e de acordo com o que foi acordado em negociação.

Auditoria completa e automatizada das taxas de cartão

Manter uma auditoria e gestão das taxas de operadoras de cartão de forma manual é praticamente impossível.

Afinal, são muitas taxas a controlar e com a rotina diária do setor financeiro, essa prática pode se perder e se acumular entre outras atividades.

Portanto, uma boa gestão das taxas exige um sistema de conciliação de cartões, como o e-Extrato Card, o sistema de conciliação mais completo do mercado.

Com este sistema é possível monitorar e auditar de forma 100% completa e automatizada, todas as taxas cobradas pelas suas operadoras de cartão.

Além disso, o e-Extrato Card oferece a funcionalidade de Auditoria de Contrato, onde o cliente contrata uma tarifa administrativa e o sistema verifica se a taxa cobrada está igual à taxa contratada com a operadora.

E não é só isso!

Através do e-Extrato Card também é possível ser notificado quando o contrato com a operadora estiver chegando ao fim.

Desta forma, você consegue saber quando a sua taxa estiver prestes a mudar e pode negociar novamente com as suas operadoras e evitar perder dinheiro com cobranças de taxas divergentes.

Ficou curioso para saber mais detalhes do sistema e-Extrato Card? Então, inscreva-se no formulário abaixo e solicite uma demonstração online e gratuita do sistema mais completo do mercado.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *