PISP: saiba mais sobre essa nova modalidade de pagamento

PISP: descubra mais sobre essa nova modalidade de pagamento

Já ouviu falar em PISP? Trata-se de mais uma inovação financeira que o Banco Central criou para dar mais praticidade às movimentações bancárias. 

Neste material, vamos compreender do que se trata, sua relação com o PIX e o Open Banking, bem como entender como ele beneficia clientes e empresas e quem pode utilizá-lo. 

O que é PISP?

É uma sigla para o termo em  inglês payment initiation service provider, que em tradução livre significa Provedor de Serviço de Iniciação de Pagamento.

Criado em 2018, consiste na permissão de serviços de pagamentos por instituições não-bancárias, com o objetivo de melhorar a experiência de compra do usuário em dispositivos digitais, reduzindo principalmente a quantidade de etapas na conclusão do pagamento. 

Dessa forma, o PISP consegue oferecer mais praticidade ao cliente, uma vez que permite que ele efetue um pagamento ou transferência bancária na mesma janela ou plataforma inicial da ação, independente da modalidade de pagamento: pix, cartão, débito ou TED. 

Assim, a transação só precisa ser autorizada pelo cliente que o PISP realiza o pagamento, conectando a conta bancária do usuário ao site, aplicativo ou rede social. 

É um serviço regulamentado pelo Banco Central, por isso a empresa precisa ter autorização do BC para atuar como PISP, sendo um dos pré-requisitos ter capital superior a um milhão de reais. 

Qual a relação entre PISP e Pix?

Conforme dados do Banco Central, o PIX já é uma transação bastante utilizada no Brasil, sendo responsável por mais de 1 trilhão em transações, ultrapassando as modalidades TED, DOC, cheque e boletos. 

Porém, o método ainda é pouco utilizado como forma de pagamento no comércio digital. Isto porque o processo de pagamento via pix passa por algumas etapas e a utilização de dois aplicativos ou sites: o da compra e do banco.

Assim, com o PISP, o cliente poderá efetuar pagamento em PIX diretamente no site ou aplicativo de compra sem precisar abrir o app do banco que utiliza.

Para isso, no entanto, tanto empresa vendedora quanto cliente devem estar cadastrados em um provedor PISP.

Como funciona?

Já compreendemos que o provedor de serviços do PISP será o mediador na transação bancária entre duas contas.

Para isso acontecer, o cliente deve se cadastrar no provedor PISP e vincular uma conta bancária de onde será retirado o pagamento para essa forma de transação. É importante também que o outro elo do processo esteja cadastrado no mesmo tipo de serviço. Ele pode ser utilizado tanto por pessoa física quanto por pessoa jurídica. 


Ademais, o PISP só funciona quando o cliente solicita e autoriza a transação. Por exemplo, ao efetuar uma compra em um perfil de rede social, ele pode realizar o pagamento ali mesmo no aplicativo da rede, seja PIX ou transferência, mas via PISP. Sem necessitar abrir o aplicativo do banco para realizar a ação.

Importante entender que não é uma nova modalidade de pagamento e sim um serviço que otimiza as modalidades digitais já existentes, principalmente o PIX.

Vale ressaltar ainda que o PISP apenas intermedia essa relação de pagamento e não tem acesso à conta bancária do cliente, garantindo segurança aos dados e aos bens dos usuários.

Por que usar o PISP?

Aos clientes pessoa física, o PISP traz mais praticidade entre os diferentes tipos de transações bancárias. É possível, por exemplo, gerenciar os diferentes compromissos financeiros que se tem mensalmente de forma segura e mais ágil.

Já para empresas, o PISP é uma janela também para potencializar as vendas online, sendo uma alternativa mais prática de pagamento para o consumidor, podendo ser utilizado nas lojas virtuais e físicas.

Para quem tem mais de uma conta bancária, seja empresa ou pessoa, a administração dos recursos passará a ser feita com mais facilidade, cada uma na sua gestão financeira, sem precisar realizar muitos processos e acessos para isso.

PISP e o sistema Open Banking

Como percebemos, o PISP vem inovar ainda mais as possibilidades de gestão financeira e realização de pagamentos digitais. Um conceito, portanto, inteiramente atrelado à noção de Open Banking. 

O Open Banking, como já sabemos, é uma concepção que dá ao cliente autonomia sobre seus dados financeiros, permitindo o compartilhamento e migração desses dados, conforme necessitarem.

Já o PISP, como mencionado, é um provedor não-bancário, no sentido de não ter nenhuma relação com bancos ou instituições financeiras. Ele se une ao usuário como mais uma ferramenta onde os dados bancários podem ser compartilhados para efetuar diversas transações.

Quais empresas podem integrar o PISP?

O BC relaciona algumas categorias de negócios que podem atuar como PISP, tais como: aplicativos de transporte e de delivery, emissores de cartões pré e pós pagos, além de credenciadores de pagamentos.

Empresas menores podem utilizar o recurso se cadastrando em sistemas de empresas provedoras. Assim, como usuário de PISP, qualquer negócio poderá utilizar o serviço, especialmente negócios digitais que têm suas atividades realizadas no ambiente online.

Com o PISP, tais empreendimentos dão mais praticidade ao cliente, com a oportunidade de fidelização de público e uma maior conversão em vendas. 

Prepare sua empresa para as novidades do mercado

Vimos neste material, que o PISP é mais um dispositivo de gestão financeira que dá aos clientes e as empresas uma possibilidade de dinamizar a forma como se lida atualmente com os recursos financeiros. 

Teremos cada vez menos processos burocráticos na efetivação de um pagamento ou de qualquer transação financeira. O objetivo é reduzir cada vez mais as etapas, garantindo a segurança que atividades dessa natureza requerem.

Do ponto de vista empresarial, é importante atentar-se e compreender as novidades que surgem nessa direção para estar preparado e adaptar seu negócio aos novos modelos que despontam no mercado. 

Quando tratamos das formas de pagamento oferecidas ao cliente, em especial, quanto mais possibilidades disponíveis melhor, posto que amplia o leque de possíveis consumidores que efetuem a compra, ao perceberem que existe ali uma alternativa de pagamento que cabe na sua realidade e também é de sua preferência.

Nesse contexto, o PISP é uma importante opção a ser adotada, caso sua empresa se enquadre no perfil definido pelo BC, poderá ser o próprio provedor PISP, agregando mais valor ao empreendimento não só pela inovação tecnológica como pela multiplicidade de alternativas ao cliente.

Esse assunto é muito instigante, não é mesmo? Conheça melhor outra inovação financeira do Banco Central que tem feito sucesso entre os usuários: o PIX, e entenda como essa modalidade pode ser usada em seu negócio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.